sexta-feira, 17 de abril de 2009

Sem barreiras...

Epah, o título deste post é mesmo inspirador...

Porque é que estou "sem barreiras"? Porque larguei os imunossupressores. Depois de ter largado a ciclospurina, foi a vez de deixar de lado o micofenolato de mofetil.

O que ganho com isso?
Rédea solta na medula nova.
Ordem para produzir sem limitações.

Parece que já não há problemas de GVH (do inglês "Graft versus Host" - Doença do Enxerto contra o Hospedeiro) que é a incompatibilidade entre a nova medula e o corpo dar origem a um "ataque" das novas células (nomeadamente os Glóbulos Brancos). Os imunossupressores serviam exactamente para por as novas células com rédea curta para não haver este tipo de problemas. Mas agora já se ambientaram e já são todas amiguinhas: Geneticamente diferentes, funcionalmente iguais.

E pronto... Mais um passo para largar estas horríveis doses diárias de drogas.

Continuo, em direcção à meta, esta corrida, agora sem barreiras.

10 comentários:

Maria Luísa Ferro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria Luísa Ferro disse...

Como te imagino... sem rédea!
Mamã

saves disse...

E siga para bingo. :P

Anónimo disse...

Pedrocas.... espero que atinjas a meta como vencedor!! Parabéns pela força e positivismo demonstrado!

Um grande beijo

Manuela Sousa Campos

Andre disse...

Se medicina fosse ensinada assim, eu punha a possibilidade de seguir carreira :-) Muito mais fácil de entender nesses termos.

Anónimo disse...

E aqui se dá por terminado o acompanhamento atento (ainda que pouco regular por vezes)de uma história verdadeira e com final feliz.
Conhecida em ambiente profissional pela via materna, a saga teve os seus momentos menos bons mas se alguém pensa que a força da amizade e solidariedade não é farmacopeia, bem enganado está.
"Alea jacta est" e aí estás pronto para a reprise de um filme de que só tu és o realizador.
Uma óptima vida. Sê feliz e espalha a felicidade à tua volta.
Um abraço de quem se quer manter anónimo ms nunca foi desinteressado.

Anónimo disse...

Realmente, Pedro, explicas tudo tão bem que deverias ser colocado com Adido de Imprensa do Ministério da Saúde ou pelo menos Relações Públicas dos serviços hospitalares!

Ainda bem que já não tens barreiras. Não as tens porque já as ultrapassaste - tiveste que as saltar todas e de que maneira!

Beijinhos e parabens,


Isabel

Mariana disse...

“Sem barreiras...”
Às tuas palavras eu acrescentaria: ... e com uma grande vontade de Viver que tens dentro de ti! A recompensa é mais que justa.
Força, Pedro!...
The sky is the limit!...
***

pingo de chá disse...

Muito bem!!! :)
Bjinhos

Oquira disse...

Perdoa-me, antes de mais, a invasão (porque para todos os efeitos é de facto uma invasão), mas não poderia deixar de te lisonjear, a ti e a todos os que te rodeiam, esses que trazem o real sentido à expressão "sem barreiras"!
Xôr Pedro, foi um verdadeiro prazer conhecê-lo... Obrigado por, com o seu testemunho, nos ensinar como pode ser fácil ser feliz!
Um dia, quando for grande, espero ser como tu...

Tão somente uma entre tantas desconhecidas,
AR*